Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta meu ponto de vista. Classificar por data Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens classificadas por relevância para a consulta meu ponto de vista. Classificar por data Mostrar todas as postagens
MEU PONTO DE VISTA BARRETO
A História do Brasil seus líderes e suas crises O Brasil tem proporcionado umas crises políticas, que vai sendo registrada em nossa história. Lembro-me do grande presidente Getúlio Vargas. Responsável pelo primeiro grande projeto de desenvolvimento brasileiro, no qual levantou o ódio da direita brasileira entregrista e pró Estados Unidos. Levantaram todo tipo de suspeitas de corrupções e denuncias de toda maneira, fizeram uma pressão tão grande, que o estadista não suportou e deu fim a sua própria vida. Passado os anos, foi constatado, que o mesmo ao morrer tinha um patrimônio menor do que quando assumiu a Presidência da República. Novamente em 1964, a direita se rearticulou e não suportava o governo popular de João Goulart, que debatia com a sociedade as Reformas de Base. .Deram um Golpe de Estado e entregaram os destinos político do Brasil aos generais. Vivemos 25 anos de torturas, perseguições e atrofiamento, um Estado de exceção. Após a redemocratização do nosso País, a própria direita se assombrou com o seu produto mal elaborado, quando elegeu Fernando Collor de Melo, Presidente do Brasil, que perdeu o mandato de Presidente da República sobre a acusação de ter usado a sobra de um dinheiro de campanha e ter comprado um veículo de marca Elba, para a sua esposa. O Brasil se levantou, foi as ruas por tão pouca coisa e impediram do mesmo concluir o seu mandato. Agora após o quarto mandato seguido do PT, mais uma vez a sociedade se levanta contra a maior roubalheira já montada no Brasil e segundo estudos a maior já apurada em um País democrático. Se aproveitando desta situação jogaram no bojo da crise o ex-presidente Lula, com a acusação de um apartamento e um sítio. O que considero um pequeno patrimônio para quem foi deputado federal e presidente de uma potência como é o Brasil. Mas, a própria Bíblia diz "que quem o ferro fere, com o mesmo será ferido". O PT e os sócios do poder, estão bebendo a mesma taça que obrigaram Collor e quiseram que Fernando Henrique Cardoso, bebesse.
BLOG-LUIZINHO CAVALCANTE
Meu ponto de vista de hoje, é sobre a reforma política. É preciso o congresso nacional democratizar as eleições, acabarem com o emprego para os políticos, que eles deixem de ser políticos profissionais e encarem isso como uma missão, o fim urgentemente da reeleição de Vereador a Presidente da republica, com o mandato de 5 anos, e com a campanha de apenas 45 dias, o que fará uma grande economia nas campanhas políticas, e 35 dias de propaganda partidária obrigatória no rádio e na tv, e convocando a sociedade organizada a participar, pois, hoje só os filhos dos coronéis permanecem na política, precisamos acabar com as oligarquias nas urnas. por-Juscelino França
Desde que nasci, que aprendi a conviver com as adivercidades enfrentando as dificuldades da vida. com dois meses de idade meu pai. separou-se de minha Mãe deixando ela com 10 filhos. como tem um dito popular, todos de cobrir com um sexto. passamos muitas dificuldades imaginem vocês uma mulher sozinha para sustentar 10 filhos. e quantas dificuldades passamos na vida. mais isso só me ensinou a viver, foi um livro Aberto para nós aprender a lutar sozinho Na vida, sempre lutei para ser correto com as pessoas, herança maior que herdei dos meus pais. Aprendi que devemos respeitar o próximo, isso é fundamental.Todo mundo sabe o meu amor pela Comunicação. Comecei cedo, aos 14 Anos,  em 1981 Realizava o meu primeiro sonho de ser um comunicador, Através de  uma divulgadora no distrito de Baixa do Meio, ganhando a vida. com notas, e avisos, e mensagens musicais. e logo no ano de 1982 fiz o meu primeiro  programa como locutor Oficial na Radio 87,5: e o meu primeiro palanque politico, foi com a dupla JÁ JÁ- José Agripino e José Adécio Apoiado pelo então Futuro Prefeito da época João Pedro Filho. Sempre tive o desejo de ser candidato a vereador em Guamaré. para poder fazer algo pelo povo e no ano de 1985 casei com minha digníssima esposa Ricardina filha de pessoas Humilde como eu, Mulher que vivo ater Hoje ela. ela é, minha companheira de lutas e Vitórias. com quem tenho (03) Filhos "Robson, Rodrigo, e Ramilly" e no Ano de 1986 Voltei ao palanque como locutor e fui ovacionado como o locutor da voz de Ouro. em 1988 Voltei mais uma vez ao palanque da vitoria elegendo João Pedro Como prefeito de Guamaré. em 1992 Voltava ao Palanque elegendo José Câmara Prefeito na Sucessão de João Pedro, e em 1996 elegemos Mais uma Vez João Pedro Filho Para o seu segundo Mandato, foi quando fui Ovacionado como o locutor das Vitorias. no Ano de 2000 João Pedro foi Reeleito. e em 2004  com sonhos de ser um candidato Ouvi do meu líder do PMDB de Guamaré: "Não é sua vez !tive que esperá mais um pouco,Voltamos as Ruas com José Câmara para a Sua reeleição, e em 2008 tive minha primeira oportunidade de ser candidato, e perdi a eleição. os poderosos da região atiraram em mim de canhão, porquê o filho da pobreza não podia ser candidato. mais Fui resistente e disputei  por livre opção. Em 2012  O Candidato A prefeito Hélio Miranda, nos deu a garantia de registrarmos a nossa candidatura.e fomos as ruas e Voltei as Urnas e Mais uma vez não fui eleito Mais Tudo na vida tem um preço, eu confio em Deus. que um dia a justiça me será feita, e eu possa Realizar o sonho das pessoas que vem comigo nessa luta desde do inicio dessa História, minha rotina é essa todos os Dias, e minhas portas continuam abertas para atender a população principalmente os mais humildes, Obrigado a todos e Ater breve!!!                          por Edvan-Barreto           

BARRETO
Alguém que acredita que a qualidade de uma sociedade é resultado das ações de todos os seus componentes. É Ser apenas você mesmo, em um mundo que se esforça ao máximo para torná-lo igual a todos os outros isso significa enfrentar a mais árdua batalha que um ser humano pode enfrentar, sem jamais poder abandoná-la. Vocês riem de mim por eu ser diferente; e eu rio de vocês por serem todos iguais." 
Diz o dicionário que mentir “dizer, afirmar ser verdadeiro (aquilo que se sabe falso)”. Do ponto de vista filosófico o ato de mentir é um recurso para obter uma vantagem

O direito a liberdade de imprensa…!

Este artificio na Impressa é usado por muitos como instrumento para obtenção de "poder da mídia". Para chamar alguém de mentiroso é preciso ter sobre a pessoa um conjunto de informações que coloque a mentira como um ato recorrente naquela personalidade. 

Pois bem…
o blog de Fernando A Verdade publicou em sua pagina na manhã deste sábado (25) uma matéria intitulada;
Matéria essa  que fui acusado de ser “mentiroso”.dizendo em sua postagem que me pediu para posta uma matéria de cunho politico e aleguei que meu computador estava quebrado isso é fato de que ele fala o que pensa e não o que tem conhecimentos, meu computador está quebrado sim!  Quem me conhece e me acompanha sabe que essa palavra não existe no meu vocabulário profissional. meu computador estava não! está quebrado!!!
estou fazendo postagem em um computador emprestado. Esse cidadão está querendo a todo custo que nossa redação poste noticias sem credibilidade que vem por meio de grupos de whatsapp com todo respeito ao whastsapp, e isso esse moderador do blog Guamaré na tela jamais irá caluniar ou difamar ninguém sem as legitimas provas quando divulgo algo é por quer eu tenho provas. 
“O profissional da imprensa possui direito subjetivo de matriz constitucional ao sigilo da fonte e não é juridicamente possível utilizar-se de métodos investigativos sobre o detentor do direito ao sigilo para obter a identidade de quem lhe entregou a notícia, salvo quando houver um bem jurídico maior que exija proteção e seja mais importante do que o direito à privacidade do jornalista, derivado da liberdade de imprensa”
em respeito ao meu leitor vou parar por aqui porque espero com esse texto dar a polêmica por encerrada por ter outras notícias para dar ao meu público.
Continuaremos como AMIGOS mas se me chamar eu respondo...

Quando criança eu tinha a mania de me sentir sempre injustiçado. Por um ou outro motivo, não me tinham feito justiça, sem perceber que, para mim, a “injustiça” era sempre qualquer restrição feita aos meus desejos, fantasias e vontades.

E invariavelmente arrebentava em lágrimas de protesto.

Um dia papai me chamou e disse:
Meu filho, vamos combinar uma coisa. Você sabe que papai não gosta de ver você triste, não é? Então nós vamos fazer o seguinte: cada vez que você chorar, escreva num papel a causa. Coloque o papel no vaso azul, ali, sobre a escrivaninha. Deixe passar alguns dias e leia-o. Se achar que o assunto ainda o está aborrecendo, venha a mim, conte-me o caso e eu lhe prometo que corrigirei a injustiça que tiverem feito contra você. Combinado?

Estava combinado. Nos primeiros dias eu enchi o vaso azul de anotações. Passadas no preto e branco, minhas queixas me pareciam perfeitamente justificadas.

Passaram-se os dias e meu pai voltou a falar comigo.

Você já pode começar a reexaminar os seus papéis. Depois venha falar comigo.
Comecei. Mas, estranhamente, constatei que minhas queixas eram banais e que, na realidade, não havia naquilo nada que pudesse motivar aborrecimento.

Abreviei o espaço dos dias e, depois, passei a examinar os papéis horas depois dos acontecimentos.

Verifiquei que não tinha nenhuma injustiça a exigir a reclamação de papai. E parei de chorar várias vezes ao dia, como estava acostumado a fazer.

Hoje compreendo que tudo foi uma brincadeira de papai. Todavia, com grande habilidade ele me levou a refletir antes de agir. E desenvolveu em mim a compreensão a respeito do que é justiça e injustiça em face do nosso egocentrismo, exigência de privilégios e pretensões descabidas.

Com isso meu espírito de tolerância ganhou uma amplitude que me tem beneficiado ao longo de toda a vida.
Existem momentos que o silêncio é o melhor argumento, Existem palavras que não precisam ser ditas, mas apenas sentidas. 

Na minha simplicidade espero apenas a felicidade, sou de paz, e faço do silêncio minha arma de proteção, meu argumento, minha defesa, minha sinceridade e meus sentimentos em forma de palavras mudas .

Não gosto de confusão, nem de conversas bobas. Procuro viver bem com todos, e não me oprimir por aquilo que não vai mudar nada em mim , o que é certo é certo sempre terá o meu apoio , o que é errado tem apenas o meu distanciamento e o meu jeito de viver a vida sem carregar pesos desnecessários.
Um dia, em conversa em roda de Amigos falando de politicas eu disse que em Guamaré nós tinha um bom prefeito, e  um jovem leitor me fez a seguinte pergunta: Barreto “O que é ser um bom prefeito e quais são as suas responsabilidades?”Mesmo convivendo diariamente no convívio politico confesso que fui Pego de surpresa, respondi alguma coisa que me veio em mente, mas fiquei devendo uma resposta mais elaborada, capaz de satisfazer ao meu curioso interlocutor. Creio que responder a esta pergunta é. O bom prefeito é aquele do porte do nosso Prefeito Hélio, que está a serviço do município, conhece as necessidades da comunidade e resolve seus problemas. administra com dedicação e seriedade, mas também presta contas de seu trabalho. Espera-se dele, fidelidade ao seu povo, expressa no cumprimento de um programa de governo previamente elaborado, Com capacidade administrativa, liderança política, bom conhecimento dos assuntos da cidade, equilíbrio no enfrentamento de crises, postura de diálogo aliada à capacidade de decisão no tempo oportuno, paciência e disponibilidade para ouvir a população e seus legítimos representantes, tolerância quanto à diversidade de estilo das pessoas com quem trabalha, disponibilidade para ter presença contínua no município, hábito de trabalhar com planejamento e em equipe e coragem de dizer não, quando necessário. Por último, o bom prefeito deve ter as qualidades necessárias para uma vida política sadia e honesta, Hélio é um prefeito competente na arrecadação de recursos para dar conta das demandas populares. O poder municipal é o que está mais próximo do contato direto com a população e o primeiro a ser questionado. Para a nossa, população, o prefeito Hélio, é mais importante do que o presidente da República, pois é quem pode resolver o seu problema imediato. Promessas utópicas ou demagógicas serão cobradas, mais tarde. A democracia consagra os vencedores nas urnas. que foi o caso de Hélio; espero que tenha respondido sua pergunta. meu Amigo leitor.

BARRETO
Ir a uma agência bancária tornou- se uma tarefa que exige muita paciência aos moradores de Guamaré, devido à longa fila e a falta de funcionários para atendimento, sobretudo, em dias de recebimento de salários. No município existem apenas duas agências bancárias, uma agencia do Banco do Brasil que possui três caixas eletrônicos e um convencional. e uma agencia da caixa econômica federal, que disponibiliza 4 Caixas eletrônicos. e dois convencional, De acordo com a lei estadual  todas as agências bancárias do Estado devem ter caixas e funcionários compatíveis com o fluxo do banco e prestar atendimento no tempo máximo de 15 minutos em dias normais e até 30 minutos nos dias de pagamentos de contas e vésperas de feriados, aqueles que descumprirem a lei serão multados com o valor de R$100,00 por usuário prejudicado, dobrada a cada reincidência até a quarta. Entretanto, para a população, aqui em Guamaré, a lei fica apenas na teoria, muitos reclamam por ficar entre um e duas horas na fila, hoje (02) de setembro. cheguei no banco do brasil agencia 4854 Guamaré. as 11:20hs e quando fui ser atendido foi as 13:40hs quando chegou minha vez, mostrei o horário na senha para a moça atendente e perguntei moça mim der uma explicação sobre a demora no atendimento. e ela disse que era novata e que não sabia mim responder e disse que, estava no horário de almoço em que a maior movimento e poucos funcionários para atender. ai eu reclamei dizendo que ia trocar de banco e ela respondeu que era problema meu, Muitas vezes os usuários para realizar as transações bancárias, é necessário ficar o tempo todo na fila “O atendimento é péssimo, fica apenas um no atendimento e se reclamamos, a desculpa é porque é horário de almoço.”, pessoas não pode mais ir ao banco na hora do almoço? 
os vereadores de Guamaré deveria ter mais respeito com o povo e implantar uma lei municipal, que dispõe sobre o tempo de espera por atendimento nos estabelecimentos públicos ou particulares da cidade. De acordo com a norma em dias normais o consumidor poderá aguardar 15 minutos, nas vésperas de feriados 30 minutos em dias normais. As instituições que descumprirem a lei serão advertidas e caso haja reincidência haverá pagamento de multa, que pode variar entre R$800,00 a R$2.500,00 podendo levar a interdição do local. mais eles não fazem sabe por quer. 
porque quando eles chegam nas agencias, são recebidos com cafezinho e atendimento restritos. “O atendimento é horrível, Mesmo cumprindo o horário faltam funcionários para melhor atender aos seus clientes, ficamos tempo demais na fila. 
fica aqui a minha indiguinação com o atendimento bancário de Guamaré. especificamente na Agencia do Banco do Brasil.
A atual politica econômica do Brasil, ainda é fruto da decisão do governo do presidente da República, Fernando Henrique Cardoso - PSDB. E sequenciada pelo seu sucessor, Luiz Inácio Lula da Silva - PT, que foi eleito pela oposição. Mas, ao chegar no governo deu continuidade ao mesmo projeto, ao ponto que permaneceram nos mesmos cargos o diretor do Banco Central e o Ministro da Fazenda. O projeto ampliou-se no campo do fortalecimento do capital, em detrimento das Regiões mais pobres e das camadas menos favorecidas. Mas, como enganação foi usado o financiamento com ampliação do crédito e os empréstimos consignados para aposentados, pensionistas e funcionários públicos nas três esferas de governo, Criou-se o falso sentimento de desenvolvimento através do acesso aos bens de consumo. Esta política estagnou e enfraqueceu as economias locais. Lembro-me, que no ano de 2001, primeiro ano do meu primeiro mandato de prefeito. Quando a prefeitura o Estado pagava aos funcionários, e o Correios pagava aos aposentados da previdências, observava a pujança da economia local. A partir de 2003, quando foi aberta os créditos consignados, teve início a derrocada na economias dos pequenos municípios. O governo de FHC, também foi responsável naquele momento, pela organização financeira da União, quando aumentou a carga tributária, criando, a CPMF, Contribuição Social e Confins, onde não esqueceu de dividir parte desta receitas para Estados e Municípios. O que o PT, também deu sequência a mesma política. Apenas a CPMF, o PSDB e o DEM, comandaram a derrubada da CPMF, já no governo de Lula. Tudo isto aconteceu, com a total e soberana aprovação no Congresso Nacional, que na sua maioria votam de acordo com a liberação de suas emendas parlamentares, que atendem as suas manobras.
Dos alpendres de minha Casa Tenho acompanhado o desfecho da perlenga que permeia nas hostes do poder familiar que governa Carnaubais e vejo que entre mortos e feridos só escapou um. No imaginário popular aquele que numa guerra segue com a bandeira à frente de uma batalha, tem as maiores chances de ser o primeiro a ser atingido e quem sabe morto. Numa guerra quem vem na retaguarda está sempre protegido por esquadrões de elite que fazem a defesa dos tais privilegiados. Voltando a regra política de quem se expõe mais passa a ser serventia dos detentores do poder e depois da conquista chama pra si as glorias das vitorias, vejo em Carnaubais um ineditismo sem precedentes nesse momento. O blogueiro Aluizio Lacerda depois de ser escorraçado obtêm a primeira vitoria diante do poder esfacelado de Carnaubais com a declaração oficial do rompimento político do clã que defendeu com alma e e coração. Portanto, 

transcrevo um desabafo postado por Aluizio Lacerda no dia de hoje, cujo conteúdo confirma o que já vinha prenunciando na sua página na net. 
AGORA É TARDE E INÉS É MORTA.

Existe ditos populares que se coadunam perfeitamente no imaginário popular, primeiro dizer que o mal por si, se destrói. Os pseudos socialistas morrendo de amores um pelo o outro premeditaram a minha saída do sistema que fui útil na vitória dos dois. Quando vivia afirmando que a dupla estava em rota de ruptura, me chamaram de chafurdento, fuxiqueiro e outras adjetivações pejorativas como forma de me denegrir. Agora a covardia de um contra o outro consumou-se, a ponto do prefeito afastado anunciar o rompimento que estávamos prenunciando. A justiça divina não falta, Deus não comete equivoco com ninguém. Estou de peito lavado, não fui covarde com nenhum, pelo contrário, à eles só fiz o bem. Vejo cada um seguindo a trilha do que covardemente construiriam para tentar permanecer iludindo o povo. O inevitável ainda está por vir, resta ao povo se libertar das amarras da exploração destes senhores, que se imaginam donos da vontade coletiva. Vamos às urnas derrotar quem procurou nos iludir até a ultima hora! A fera agora ficou ferida na alma. Agora é tarde e Inez é morta, o rompimento não justifica a safadeza que fizeram comigo. 
por Aluizio Lacerda
EDVAN BARRETO
A grave superlotação é talvez o mais básico e crônico problema afligindo o sistema penal brasileiro. Há mais de uma década, autoridades prisionais do Brasil estimaram que o país necessitava de 50.934 novas vagas para acomodar a população carcerária existente. Desde então, embora alguns esforços tenham sido feitos para resolver o problema, a disparidade entre a capacidade instalada e o número atual de presos tem apenas piorado. Até o ano de 1997, com o crescimento do número de presos, o déficit na capacidade instalada dos presídios era oficialmente estimada em 96.010. Em outras palavras, para cada vaga nos presídios havia 2,3 presos. A capacidade real de uma prisão é difícil de ser objetivamente estimada e como resultado disso, é fácil de ser manipulada. Mas não resta dúvida que quase todos os estabelecimentos prisionais brasileiros estão superlotados. Como todos os administradores prisionais sabem, prisões superlotadas são extremamente perigosas: aumentam as tensões elevando a violência entre os presos, tentativas de fuga e ataques aos guardas. Não é surpresa que uma parcela significativa dos incidentes de rebeliões, greves de fome e outras formas de protesto nos estabelecimentos prisionais do país sejam diretamente atribuídos à superlotação. Em muitos casos, particularmente no estado de São Paulo, em 1997, os presos amotinados simplesmente demandaram que fossem transferidos para estabelecimentos menos lotados, querendo deixar um distrito policial apertado para uma penitenciária mais espaçosa. Se os números dos últimos anos servirem como indicação, a população carcerária do Brasil continuará a crescer e, mais provavelmente, superará a expansão da capacidade prisional. O déficit na capacidade instalada cresceu 27% entre 1995 e 1997, enquanto a capacidade total dos presídios cresceu apenas 8,1% durante o mesmo período. A Mandados Incumpridos A falta de vagas nas prisões é particularmente dramática quando considera-se o enorme número de acusados que livraram-se de cumprir suas penas, deixando essas penas pendentes. O Ministério da Justiça estimou, em 1994, que havia 275.000 mandados incumpridos, significativamente mais do que o número de presos detidos. Apenas em Brasília, o Ministério Público anunciou, neste ano, que dos 15.077 mandados de prisão foram autorizados em sua jurisdição nos últimos três anos, somente um terço foi de fato cumprido. Os acusados nos demais casos continuam foragidos. Obviamente, caso esses acusados fossem repentinamente encontrados e presos, as prisões explodiriam. No entanto, o número real de foragidos é difícil de estimar pois os dados estaduais e federais incluem várias penas para um só acusado, acusados que já morreram e casos em que o crime já prescreveu. Uma especialista em presídios aconselhou que, no mínimo, "o número atual deveria ser dividido por cinco" para poder levar esses fatores em consideração. Mesmo assim, o número de detentos adicionais que essas sentenças representam pode ser um peso significativo sobre o já sobrecarregado sistema penal. Detenção Antes do Julgamento Um fator importante que contribui para a superlotação dos presídios brasileiros é o confinamento de presos não condenados, cerca de um terço da população carcerária. Como essas pessoas não foram condenadas por crime algum são presumidos inocentes pela lei e uma porção dela será de fato absolvida pelos crimes dos quais é acusada sem levar em consideração o tempo que passaram em confinamento.
BARRETO
Diz um adágio popular que toda unanimidade é burra. Está certo! Imagine, caro leitor, se todos pensassem e agissem da mesma forma, o que seria do mundo. Certamente só um regime ditatorial, seja ele de esquerda ou de direita, pensa assim e age assim, ou seja, todos têm que agir e pensar igualmente. Pois muito bem. Hoje o Brasil vive um momento ímpar na sua democracia, já inclusive tive oportunidade de falar sobre o assunto antes, mas retomo porquanto o debate de ideias continua sendo deturpado desde o resultado das eleições presidenciais. Frequentemente tenho presenciado principalmente nas redes sociais e até em grupos de amigos uma discussão política que não acrescenta em nada ao debate de ideias. Muito pelo contrário, só acirram os ânimos das pessoas. Umas defendendo o governo, outras criticando. Seria normal isso e faz parte da democracia não fossem as agressões de ambos os lados, diria. Ocorre que quem não está acostumado ao debate de ideias contra-argumenta apelando para xingamentos. É aquela velha história: quem não tem argumentos se defende com agressões. Esquecem estas pessoas, muitas dais quais se escondem atrás de um pseudômino, que a convivência dos contrários faz parte da democracia. Se defendo o governo ou se o crítico isso é uma posição pessoal, não significando dizer que todos têm que concordar, afinal, repito o que disse no início do texto, toda unanimidade é burra. Um país só consegue amadurecer a sua democracia com o debate de ideias entre os que pensam diferente. Em não sendo assim, acaba virando uma ditadura. Mas também não é agredindo a quem pensa contrário a você que se vai contribuir para que o país melhore. Não, não é por aí. Posso discordar de quem pensa diferentemente de mim, mas nem por isso me dou o direito de agredir essa pessoa. Talvez com argumentos fortes essa pessoa que discorda do meu pensamento pudesse me convencer do contrário, pois que com agressões só fortalece os meus argumentos. Portanto, caro leitor, o debate é salutar para o fortalecimento da nossa democracia, mas um debate sereno centrado nas ideias e até mesmo na ideologia, sem o que não se vai a lugar nenhum.
CARLOS ALBERTO BARBOSA
Se existe algo belo na face da Terra, esse algo é certamente o sorriso de uma criança. O sorriso de uma criança não é algo que se constrói. Não pode ser vendido. Não tem receita. Não tem marca. Não tem bula. Não tem selo. Não tem etiqueta. Portanto, não é falso. Ele é genuinamente verdadeiro. O sorriso de uma criança vem de dentro do seu coração. Da pureza de um coração que ainda não aprendeu a mentir, a falsear, a enganar, a ser mal educado, a ser socializável, 
a ter um sorriso de soslaio como tem os adultos sempre nas horas mais impróprias. Quando uma criança sorri, ela sorri porque algo a fez feliz naquele momento. Ela sorri porque se recordou de algo bom que viveu. Seu sorriso é mais do que isso: ela pede, solicita e suplica que lhe devolva aquele momento que a fez recordar de uma boa lembrança ou de uma lembrança suficientemente boa. Não é como nós adultos, que tomados da nossa empáfia quando encontramos alguém que não desejamos ou não gostamos, soltamos a esmo: “Oi querida(o), como você está? Tudo bom?” com um sorriso amarelo de orelha a orelha. o sorriso de uma criança não é incongruente com o seu pensamento. Ela sorri porque acha que ela deva sorrir quando encontra algo que a faz feliz. Ela pede que a amemos como o fizemos antes, na sua parca memória. Toda mãe e todo o pai reconhece o sorriso do seu filho quando criança,  Ele nos dá esperança, e ele retornará ao seu verdadeiro dono no instante exato que encontrar o sorriso de uma outra criança:
como foi sabia a letra de Paulo Sergio que diz. ai, meu Deus que Bom seria ser Criança outra vez!!!
por-Evan Barreto.
BARRETO
POLITICA Qual é a função do prefeito? 
A cada quatro anos no Brasil, em um domingo do mês de Outubro, um evento tem se repetido: os brasileiros vão às urnas escolher novos chefes para o poder executivo de seus municípios. Assim como votar para presidente, governador e deputados, eleger um prefeito para o mandato de quatro anos é algo de extrema importância e, ao mesmo tempo, de responsabilidade por parte de cada eleitor, pois o futuro da cidade estará nas mãos de quem vencer. Dessa forma, vale a pena refletirmos um pouco sobre as atribuições e funções da figura política do prefeito municipal. A elaboração de políticas públicas para saúde, educação, habitação, entre outros fatores pertinentes ao bem-estar e qualidade de vida dos municípios estão entre suas ações. Como representante do poder executivo, é o prefeito quem encabeça a administração da cidade, empreendendo a gestão da coisa pública, do controle do erário ao planejamento e concretização de obras, sejam elas em termos de construção civil ou da área social. Logo, pode parecer redundante, mas é preciso frisar a ideia de que o poder executivo é de fato aquele quem executa, coloca em prática um conjunto de intenções do governo, realiza determinada obra, projeto, programa ou política pública. Além disso, cabe ao prefeito não apenas sancionar as leis aprovadas em votação pela câmara, mas tanto vetar quanto elaborar propostas de leis quando achar necessário. Contudo, o prefeito não governa sozinho, e por isso depende de apoio político da câmara municipal, assim como de outras esferas governamentais, ou seja, do governo estadual e federal. A ajuda destes dois últimos se dá através de repasses de verbas, convênios e auxílios de toda natureza para a realização de obras e implantação de programas sociais, os quais, principalmente no caso de prefeituras de pequenos municípios, tornam-se fundamentais para o atendimento das demandas locais.
por 
Um dos maiores problemas que assola o Mundo é  
A crise hídrica que começou no  Sul do país e já chega no Nordeste, e Infelizmente atingiu Guamaré e região salineira, na última segunda-feira (10), quando o abastecimento d’água foi suspenso devido ao baixo nível da Barragem Armando Ribeiro, que impossibilitou o bombeamento na adutora que tira água do Rio Açu, na cidade de Pendências. Uma máquina PC entrou no Rio Açu no local onde a água é bombeada para Guamaré e região salineira,
Como Perder Barriga
Como Perder Barriga
escavadeira
Foto: Alex Escoteiro
na tentativa de escavar uma levada para que a água consiga chegar às bombas de captação e as cidades atingidas passem a ter novamente água nas torneiras. A crise hídrica já era anunciada há muito tempo, mas, não dá pra entender como as autoridades competentes; Presidência da CAERN e a Agência Nacional de Águas (ANA) deixaram a situação chegar a esse ponto.  Segundo informações do Presidente da CAERN, Marcelo Saldanha Toscano, um barramento privado ilegal, que mudou o curso da água que chegaria às cidades da região salineira fez com que a rede parasse de receber a água do Rio Açu. Ligações clandestinas de irrigação e drenagem da água da Barragem Armando Ribeiro para projetos particulares de empresários, diga-se de passagem, sem “nenhuma” fiscalização, causou o caos no abastecimento de água em Guamaré e seus distritos, Há quase dez dias os Guamaréenses estão sofrendo com a falta d’água e, alguns moradores já não tem um pingo nem mesmo para cozinhar alimentos e garantir, pelo menos, a higiene pessoal. fico pensando, se o prefeito Hélio tivesse feito a adutora que avia prometido!, agora estaria terminada e cade o primordial que seria "Água", mais felizmente ele usou de sabedoria e estudou bastante com sua equipe de governo, para trazer para o nosso povo um problema completamente solucionado trazendo em breve uma usina para Guamaré
de dessalinização de Água do mar transformada em Água boa para o consumo Humano, e vai torna-se pioneiro na Região do litoral potiguar!.Como Perder Barriga
No segundo semestre 1992, o país enfrentava uma situação política quase idêntica a dos dias atuais: 
crise de popularidade do presidente, acusações de corrupção no governo e pedido de impeachment em curso. Os discursos também eram parecidos: do lado governista, se tratava de um “golpe”; do lado da oposição, o ataque a quem não teria mais “condições éticas e morais” de seguir no poder.

Semelhanças à parte, as diferenças surgem quando vemos quem estava de que lado da trincheira. O BLOG foi até os arquivos da Câmara e viu os discursos no período de crise política, entre agosto e setembro de 1992, quando o prosseguimento do impeachment foi aprovado pela Casa. Na maioria dos casos, os políticos que se digladiavam continuam adversários, mas mudaram de lado e “rasgaram” o que disseram há 23 anos. À época, o PT — hoje alvo principal alvo dos ataques e correndo risco de deixar a Presidência , era o mais ferrenho defensor do impedimento do presidente Fernando Collor de Mello.

E não perdia um só discurso para pedir a saída do chefe do executivo e rechaçar duramente a ideia de que se tratava de um “golpe”. “Defender a democracia é defender a saída do presidente da República. Democracia se faz sem corrupção, com respeito e dignidade, usando o dinheiro público a serviço do povo brasileiro. Vamos exercitar a democracia, aprovando o pedido de impeachment de Fernando Collor de Mello”, dizia a então deputada petista Luci Choinacki (SC), no dia dois de setembro de 1992.

Nomes ainda ativos hoje e bem conhecidos no cenário político também tinham discursos bem diferentes. “Não é o Presidente Ibsen Pinheiro, não são os partidos que sustentam o processo de impeachment do Presidente da República e não é esta Casa; mas, sim, a Constituição que estabelece que a autorização é matéria de competência da Câmara dos Deputados”, disse o líder petista à época, o então senador José Dirceu (SP), no dia 10 de setembro.
Os desdobramentos da crise política no Brasil são acompanhados com interesse e perplexidade pela opinião pública internacional. A cada fato novo vem a pergunta: é agora que Dilma Rousseff cai?
E há semanas as manchetes internacionais se reviram em torno de um vago "pressão sobre o governo aumenta". O que se passa no Brasil é de fato difícil de entender – a história não se resume a mocinhos e bandidos. De um lado, a presidente Dilma e o ex-presidente Lula juram de pés juntos que são inocentes de todas as acusações.

Mas, ao mesmo tempo, se valem de manobras escandalosas para blindar Lula ao nomeá-lo ministro. De outro, a oposição e o Judiciário juram de pés juntos que lutam para combater a corrupção, mas as investigações andam mais rápido para uns do que para outros, e juízes que deveriam ser isentos simpatizam claramente com atos públicos contra o governo – isso quando não participam deles pessoalmente.
Sem falar na comissão do impeachment, onde dos 65 membros, 37 são investigados por corrupção. No mais recente desenvolvimento da crise, o PMDB, maior parceiro de coalizão de Dilma, decidiu deixar o governo.

Este fato em si já é uma sensação, pois estamos falando de um partido que ocupa cargos no primeiro escalão desde a redemocratização, em 1985 – mais do que familiarizado, portanto, com a corrupção sistêmica do país. Sedenta por um desfecho, a opinião pública internacional faz novamente a pergunta: é agora que Dilma Rousseff cai? O impeachment é iminente? Nós brasileiros nos desculpamos por frustrar as expectativas mais uma vez, mas há controvérsias. Há quem diga que, se o tão acostumado ao poder PMDB consegue abandonar o governo, outros partidos menores podem seguir o exemplo e também deixar a base aliada. Com isso, aumentaria o número de votos para um impeachment de Dilma Rousseff.

Ao mesmo tempo, com as inúmeras facções dentro do PMDB, sempre houve uma ala do partido que votou contra o governo, independentemente da coalizão. Assim, há quem diga também que, ao deixar cargos no governo, o PMDB abre espaço para partidos que garantam um apoio mais consistente à presidente.
Aliás, a saída do PMDB também não significa que todos os membros do partido vão votar contra Dilma. A fidelidade partidária não costuma ser um valor maior na política brasileira – os 87 parlamentares que mudaram de legenda entre 18 de fevereiro e 19 de março na chamada janela partidária que o digam.

E não podemos esquecer que o PMDB manteve junto ao governo sua figura mais importante: o vice-presidente Michel Temer, o primeiro na linha de sucessão da Presidência, caso Dilma seja removida do cargo. Com isso, fica evidente que estamos assistindo, na verdade, a uma guerra política por interesses pessoais que nada tem a ver com um projeto de nação. Lamentável para um país como o Brasil, que até poucos anos atrás era aclamado como gigante da economia mundial e exemplo na redução das desigualdades sociais.
Você já deve ter cruzado na rua com pessoas “doidas” falando sem parar ou resmungando consigo mesmas. Isso não tem nada de diferente do que acontece com você e com outras pessoas “normais”, exceto que vocês não falam alto. A voz comenta, especula, julga, compara, desculpa, gosta, desgosta, etc. A voz não precisa ser relevante para a situação do momento, pois ela pode estar revivendo o passado recente ou remoto, ou ensaiando, ou imaginando possíveis situações futuras. Neste último caso, ela imagina sempre as coisas indo mal e com resultados desfavoráveis. É o que se chama de preocupação. Às vezes, essa trilha sonora é acompanhada de imagens ou “filmes mentais”.

Mesmo que tenha alguma relação com o momento, a voz será interpretada em termos do passado. Isso acontece porque a voz pertence à mente condicionada, que é o resultado de toda a nossa história passada, bem como dos valores culturais coletivos que herdamos. Assim, vemos e julgamos o presente com os olhos do passado e construímos uma imagem totalmente distorcida. Não é raro que a voz se torne o pior inimigo de nós mesmos. Muitas pessoas vivem com um torturador em suas cabeças, que as ataca e pune sem parar, drenando sua energia vital. Essa é a causa de muita angústia e infelicidade, assim como de doenças.

VOCÊ NÃO É A SUA MENTE:
Boa notícia é que podemos nos libertar de nossas mentes. Essa é a única libertação verdadeira. Dê o primeiro passo nesse exato momento. Comece a prestar atenção ao que a voz diz, principalmente a padrões repetitivos de pensamento, aquelas velhas trilhas sonoras que você escuta dentro da sua cabeça há anos. É isso que quero dizer como “observar o pensador”. É um outro modo de dizer o seguinte: ouça a voz dentro da sua cabeça, esteja lá presente, como uma testemunha. Seja imparcial ao ouvir a voz, não julgue nada. Não julgue ou condene o que você ouve, porque fazer isso significaria que a mesma voz acabou de voltar pela porta dos fundos. Você logo perceberá: lá está a voz e aqui estou eu, ouvindo-a e observando-a. Sentir a própria presença não é um pensamento, é algo que surge de um ponto além da mente.
Para muitos não importa quem esteja no comando, importa o comando. O amigo do poder não escolhe pessoas, escolhe a situação em que elas se encontram. Ele tem uma capacidade de farejamento inigualável e percebe antes da maioria quem vai se dar bem e quem vai se dar mal. Estando do lado fraco, sabe pular na hora certa para o forte em uma dança bem feita de posições sempre as mais cômodas.

O amigo do poder é a síntese de todo o interesse que há no mundo, seja político, midiático, religioso, artístico, esportivo ou em uma simples associação de moradores. Ali está o amigo do poder, solícito, atento, aflito para ajudar… enquanto vantagem puder levar. Não se constrange em forçar intimidades, criar do nada uma relação afetiva com aquele que momentaneamente esteja ocupando um importante cargo.

O verdadeiro amigo do poder tem uma potente noção das mudanças climáticas: quando vai ventar, a intensidade e a velocidade e o que irá restar depois da passagem de uma brisa ou de um furacão. Ele, precavido meteorologista do oportunismo estará muito bem. Seja lá quem for o presidente do clube ou da Câmara, o deputado ou o prefeito, o amigo do poder será o braço direito, o confidente, o primeiro a ser ouvido. Mas, não espere dele fidelidade. Embora dê a todos e principalmente ao iludido a perfeita impressão de ser útil e muito inteligente, fidelidade passa longe do tipo. O amigo do poder sempre se dá bem. E nunca está satisfeito.

Sabe de tudo o que se passa nos bastidores e mesmo sendo esperto, pode, ser bem manipulado. Até certo momento da história. Depois, é incontrolável. Uma força irresistível lhe arrastará ao novo centro de poder e tudo será apenas uma questão de disfarçar ou não a adesão.

Alguns, menos safos, trocam de lugar antes da hora, se arriscando a se perderem numa estratégia mal feita e sem retorno. Os mais experientes raramente erram: sabem o exato instante de trocar a camisa. Ou de não trocar. Não se arriscam, não se expõem. É fina a linha de atuação do sábio amigo do poder. Dele pouco pode se dizer. Tem muitas desculpas para as suas atitudes, todas bem feitas e quase sempre aceitas. Afinal, não vale à pena ter como inimigo um deles. São calculistas e vingativos, atropelam qualquer um que cruze a estrada das intenções óbvias. O amigo do poder é o amigo do rei: influencia, sugere, instiga e até decide.

Hoje de um lado, amanhã do outro, insaciável, muda de cara e opinião com muita facilidade e não admite nunca ser contrariado. Uns, são mais famosos, outros, mais discretos. Porém, não tem jeito. O amigo do poder acostumado a farejar os que estão por cima, acaba exalando um forte cheiro: o podre cheiro da traição.